12/04/2019

Dia 1º de março de 1896 marca a descoberta da radiatividade. Três dias antes, foi um dia nublado em Paris. Um grande problema para Becquerel, que queria mostrar que alguns minerais brilham quando expostos a luz forte, devido aos raios X. O clima frustrou a experiência, mas levou a uma nova descoberta: desanimado pelo clima, Becquerel colocou o urânio que havia planejado usar guardado em uma gaveta, em cima de um material fotográfico coberto. Quando ele voltou, encontrou uma imagem embaçada dos cristais de urânio na gaveta, apesar de o material fotográfico ter sido embrulhado em papel preto pesado. O cientista percebeu que os cristais não eram fosforescentes ao sol. Em vez disso, ele descobriu que os cristais lançaram raios espontâneos e penetrantes sem nenhuma energia externa. Juntamente com a sua aluna de doutorado, Marie Curie, e o seu marido Pierre, Becquerel estudou o fenômeno, que acabou sendo chamado de “radioatividade” – termo cunhado por Marie. Este trabalho rendeu-lhes o Nobel Prize em Física de 1903 e se notabilizou como a descoberta mais importante da humanidade.

Posted in Blog, curiosidades, noticias by Denilson Silva